"Dai-me a liberdade do meu coração que eu vos dou a minha completa emoção" Betimartins

Betimartins

As palavras fluindo do meu coração.

Mahatma Gandhi "Dai-me um povo que acredita no amor e vereis a felicidade sobre a terra."
Textos



No alto da sua montanha estava o velho José, de machado na mão e cortando a sua lenha.  Ao seu lado estava o Bobi, seu amado cão e fiel companheiro, sua sobrancelha arqueou entre o alerta do velho falcão que voava livremente na busca de sua presa as rajadas de vento eram fortes e o dia estava findando e as nuvens escureceram num frio absurdo.

Sábio,  ele achou melhor se recolher para dentro de sua casa, levando consigo mais lenha, pois ia ser uma longa noite e pairava no ar o cheiro de uma grande  tempestade e  algo sinistro que ele ainda não tinha entendido.
Sua casa era bem modesta ele tinha apenas o básico para viver dignamente, o resto ele desapegou-se há muitos anos atrás, quando perdeu a sua esposa e ficou só. Sentiu o desprezo dos seus filhos e sua família e largou tudo para trás e foi embora nada mais o prendia a sua terra!

Aprendeu a escutar a voz do vento e o que ele lhe falava, viu a pureza das flores quando desabrochavam, viu a grandiosidade das arvores e o poder das águas... Tudo tinha uma harmonia incrível e estava no lugar exato. Estranhamente ele não era um homem de fé, revoltado pela morte de sua esposa.

Mas toda aquela vivencia na montanha trabalhou o seu velho  espírito... Das coisas que levou com ele foi a velha bíblia, que não saia das mãos de sua delicada esposa, ela sempre dizia que era o seu maior tesouro, mas com seu rosto carregado com alguma tristeza pela falta de fé do seu marido.  
No céu um estridente som deixou o Bobi de orelhas alertas, pela janela já se via clarões, no velho cadeirão estava o Pinguço o velho gato, dormindo que nem um anjo.  O velho José estava com os pensamentos agitados nada estava em harmonia! Eram velhas emoções aflorando os seus pensamentos, os antigos Natais onde fui muito Feliz com as suas pequenas crianças e sua doce esposa.
Para não doer mais, trouxe a ingratidão dos filhos à sua lembrança e ajeitou o jantar na lareira, depois se sentou na sua poltrona e fumou o seu cachimbo, folheando a velha bíblia, como se estivesse relembrando toda a sua existência...
Tudo ficou num silencio total, parou o vento e tudo ficou quieto demais. O gato miou desesperado, o cão ladrou e estava aquele mau agouro no ar que provocava um nó na sua garganta. Abriu a sua bíblia e leu o salmo 91 num misto de emoções,  entre um choro compulsivo e aprisionado por anos a fio.
De repente a terra começou a tremer e quanto ele mais alto lia mais ela tremia, tudo caia das prateleiras e ele ali na sua poltrona lendo o salmo e nisto escutou um grande estrondo  parte da sua velha casa desabou apenas a sala ficou inteira... Num misto de horror e de medo ajoelhou na direção do céu e agradeceu a Deus num imenso pedido de perdão.
Partes da velha montanha desabaram o tremor foi 8,9 eram tantas as arvores que estava caída, uma destruição total...  Olhou e se sentiu muito agradecido ele estava vivo e os seus amiguinhos também. Olhou para a pequena arrecadação onde guardava todas as suas ferramentas e sorriu, estava de pé e ele poderia reconstruir tudo de novo.
Era o dia 24 de Dezembro, tapou a sua sala com as tabuas que resgatou e o frio já não era nada, pois sua alma estava ardendo de amor, pegou num velho pedaço de pau e foi o trabalhando e fez o menino Jesus, feliz o ajeitou numas palhinhas e o colocou na velha mesa da sala ao lado da sua bíblia o maior legado que sua esposa deixou.
Feliz, ele saiu da casa, na velha varanda ou o que restou dela e olhou para o céu estava lindo, sem uma nuvem, estrelado com seus olhos marejados de lágrimas escutou um leve canto angelical vindo do céu, uma forte luz se aproximava da terra na sua direção e nela pode ver dois lindos anjos e uma bela mulher...
Pode reconhecer era a sua esposa acompanhada por dois anjos, ficou confuso que estava acontecendo será que ele estava sonhando?  Ou seria apenas loucura dele.  Sentiu uma onda de calor tão forte e algo macio pegou em suas mãos e sentiu um leve beijo em seu rosto... Como ela estava linda, sorrindo como no dia em que se conheceram, não houve palavras apenas o coração falava só ele entendia esse amor profundo.
 
E na canção ele apenas escutava este é o meu presente de Natal, pois tu acreditaste nele!
E assim se passou mais uma véspera de Natal ganhando um doce coração repleto de esperança e de uma fé imensa reconstruindo tanto o seu Lar como o seu renovado espírito de amor numa nova vida!
 
Feliz Natal a todos!
 
Betimartins
 
 
 
 
 
 

 
Betimartins
Enviado por Betimartins em 20/12/2017
Alterado em 20/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
A alma do poeta é a porta dos sonhos por muitos ainda não sonhados.